Analisando nesses últimos dois dias as diversas manifestações de torcedores pelo o estado de Santa Catarina sobre o lance entre Souza e Héber no ultimo jogo, me deparei com uma total falta de foco nessa questão. A situação toda virou uma espécie de briga entre Interior e Capital. De um lado defensores de que a jogada foi limpa, que a contusão foi uma fatalidade. Do outro torcedores que afirmam que Souza deveria ter sido expulso no lance porque foi de forma violenta.

 
É possível um meio termo nessa discussão? A meu ver, existe um meio termo sim. Claro que Souza não foi na jogada com a intenção de machucar ou ate acertar Héber no lance. Mas ao tentar parar uma jogada com carrinho, ele ASSUME o risco que a situação possa trazer. Com o pé ele corta a bola, mas o resto do seu corpo atinge em cheio o corpo do atacante do Figueira. Um lance que poderia ter sido muito bem evitado. Portanto, um lance digno de cartão. Por muito menos já vimos uma atitude mais contundente de um arbitro esse ano. A expulsão do Sandro no jogo contra o Metropolitano é um exemplo. Até mesmo a expulsão do Pantico no mesmo jogo por uma falta simples.

 
Só que essa discussão perdeu totalmente o foco. Por parte dos dois lados. Dizer que a jogada foi criminosa, como disse o nosso técnico no calor da partida, é errada. A jogada foi imprudente. Mas dizer também que o lance foi normal chega a ser piada. O resultado dessa discussão toda: Guerra declarada. Não tenham duvidas que se ocorrer um possível confronto entre os dois times na fase final do campeonato, o jogo vai ser quente, com muita pressão da imprensa e torcida. E aquele velho grito batido ecoando por alguns estádios em repudio a capital.

 
Em relação ao jogo de hoje a noite, Branco deve poupar diversos titulares. Claro que é uma forma de dar atenção ao jogo mais importante do momento, o Clássico contra o Avaí.  Roni, por exemplo, nem viajou. E acho certo mesmo. Pendurado, ele provavelmente voltaria suspenso de Criciúma. Lá estava sendo preparada uma recepção nada amigável ao ex-jogador do clube de lá. Mas existe um perigo em levar o time quase reserva: empolgar o adversário em caso de vitoria do time do sul do estado. São riscos assumidos pelo nosso treinador. Vamos torcer que ele esteja com a razão. Abraço.

Anúncios